Histórias que marcaram Orleans: José Carlos Souza Cândido

0
Foto: Arquivo pessoal
Slider

Nesta sexta-feira (14) conversamos com o empresário José Carlos Souza Cândido, filho do seu Adelgundes Januário Cândido (in memorian) e Otília José Souza Cândido (in memorian) que era conhecida como dona Nena. Orleanense da Sesmarias, é casado com a professora Ramira Miranda Machado, e pai da Thaise, Lucas e Arthur. De família do interior ele tem muita história pra nos contar sobre a cidade das colinas.

Infância na Sesmarias

Canal do Sul: Zé, você é Orleanense, nasceu nas Sesmarias e como que era os tempos de infância lá naquela localidade?

Zé: Naquela época, a nossa geração era completamente diferente de hoje. Não existiam tantas possibilidades de divertimento, opções de lazer. A nossa brincadeira se baseava em carrinhos e futebol. De vez em quando era um carrinho pra todos brincar. Mas a gente inventava carrinho, com latinha de sardinha e as rodas eram feita de laranja. Essa simplicidade de criança que me marcou muito.

Canal do Sul: Perfeito, e como era a vida lá, família, amigos?

Zé: A nossa família era muito próxima e unida, morávamos um do lado do outro, e tinha o grupo dos primos, e muita amizade com os vizinhos também. A nossa casa era perto da onde ficava a torre da repetidora de TV, e mais pra cima, onde hoje é a comunidade da Sesmarias mesmo com a igreja e tudo, íamos brincar lá também nos finais de semana.

Canal do Sul: Esses amigos que você fala com carinho, você tem contato com eles até os dias de hoje?

Zé: A maioria dessa turma de amigos ainda moram em Orleans e a gente se fala até hoje, mesmo que não com tanta frequência. O Dirceu Spricigo, Silvério Spricigo, Genézio Bussolo, os Pilon.

Canal do Sul: Que bacana. Eu queria que você falasse de lembranças marcantes desse tempo.

Zé: O que me marcou bastante foi quando aprendi a nadar e andar de bicicleta. Quem me ensinou foi meu primo o Antônio Carlos (in memorian). E pra nadar a gente ia lá no rio da Palmeira do Meio, que na época era um rio de água potável, e ali eu aprendi nadar. E pelo fato desse meu primo ter me ensinado foi algo que sempre vou ganhar comigo no coração. Teve pessoas que me marcaram muito, as catequistas da época lá na Palmeira do Meio, e os amigos como um todo.

Canal do Sul: Alguém me disse que você gosta, e muito de futebol, é verdade isso?

Zé: Bem, sempre gostei muito de futebol, joguei pela minha comunidade, e também por várias outras. Eu tive o prazer de participar da entidade VETERANO (Grupo de Futebol de Campo) que já completou 20 anos de existência de Orleans. Lá a gente se reúne (os veteranos) pra jogar nos finais de semana.

Educação

Canal do Sul: E a escola na Sesmaria, estudou lá?

Zé: Quando eu comecei estudar minha mãe tinha ido morar em Lauro Müller, e no 1º e 2º ano eu realizei lá. E depois que voltamos pra Sesmarias, eu comecei estudar no Samuel Sandrini, junto com minha irmã mais velha. E a gente ia a pé e voltava todos os dias.

Canal do Sul: Quais professores mais marcaram esse tempo?

Zé: Lembro muito da dona Celina, a dona Angelina Geremias, Zoca, Lourdes, dona Goretinha, dona Alice Sandrini, dona Angela Bratti, Nana, dona Rozimere já falecida. Enfim, vários outros que me marcaram muito. Finalizei meus estudos ali no Samuel Sandrini.

Vida empreendedora

Canal do Sul: Você é um empresário de sucesso, dono da Metalúrgica Anca aqui de Orleans, como que começou isso?

Zé: Bom, antes de tudo, eu sempre gosto de frisar bem da onde eu vim. Minha vida profissional começou no comércio, trabalhei na Cleimon, Tezza Mat. De Construção, Ceffas, JN Ferragens. E foi em 2001 que dei início ao meu empreendimento que completou no último dia 02, 19 anos. Atualmente, trabalhamos com a linha de Chaminé de Fogão.

Canal do Sul: A Metalúrgica Anca, hoje atendendo os Estados de Santa Catarina e Paraná, me diz uma coisa, se eu, aqui em Orleans, quiser comprar uma chaminé dessa, como funciona?

Zé: Com toda certeza, nós atendemos o consumidor final também, basta apenas entrar em contato lá pelo (48) 3466-3072.

Ida pro Nova Orleans

Canal do Sul: Atualmente você mora na Nova Orleans, e como que você foi parar lá?

Zé: Depois das Sesmarias eu fui pro bairro Corridas. Já faz mais de 25 anos que moro lá. No ano de 2011, passei a residir no loteamento Nova Orleans, que fica no mesmo bairro, e lá tenho um entrosamento muito bom. Conheço a minha comunidade, assim como várias outras da nossa cidade.

Vida política

Canal do Sul: E essa história de política, nas redes sociais você tem se pronunciado. É pré-candidato?

Zé: Sim, sou pré-candidato a vereador pelo PSDB de Orleans. Essa ideia de entrar na política vem de um trabalho voluntário que eu e minha esposa realizamos na cidade já há algum tempo. E assim a gente acaba criando vínculo com muitas pessoas. Penso que por meio da política podemos ajudar muito mais ainda as pessoas da nossa cidade. Fui procurado por outros partidos, e escolhi aquele que eu mais me identifico. Nunca pensei em estar na política, mas com esse pensamento de poder ajudar pessoas de alguma forma ainda maior, é que agora, portanto, sigo nesse projeto de pré-candidato a vereador em Orleans.

Mensagem final

Neste momento deixamos o espaço aberto para que o nosso entrevistado pudesse deixar uma última mensagens aos internautas do Canal do Sul.

Zé: Bom, agradeço a oportunidade de estar participando desse projeto que visa registrar histórias que marcaram nosso município. Foi um prazer estar participando. Eu aceitei o convite, e me fiz presente pra falar da minha história na cidade, é porque eu tenho essa terra cravada no peito, amo essa cidade. Quero repetir a frase dita por um amigo em uma entrevista no rádio, onde ele dizia “O Brasil que eu quero é a Orleans que eu tenho”. Apesar de tantos convites de ir até para fora do Brasil, eu jamais conseguiria viver longe desse lugar.

Slider