11/09/2023 às 17h01min - Atualizada em 11/09/2023 às 17h01min

Setembro Amarelo: Prevenção ao Suicídio

Colunista Ana Paula Silva Volpato

Colunista Ana Paula Silva Volpato
 
 
 
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano no mundo, estima-se que uma pessoa põe fim a sua vida a cada 40 segundos. 

O Setembro Amarelo é uma campanha que tem como objetivo sensibilizar as pessoas sobre o suicídio. Durante todo o mês, a iniciativa tem como objetivo chamar a atenção para a importância de discutir e promover ações a respeito do suicídio.

O Relatório Mundial de Saúde Mental de 2022, divulgado pela OMS apresenta que as consequências da pandemia da covid-19 revelam uma grande preocupação com a saúde mental da população mundial, pois apenas no primeiro ano da pandemia, 53 milhões de pessoas desenvolveram depressão e 76 milhões tiveram ansiedade, totalizando 129 milhões, alta de 28% e 26% de incidência desses transtornos

No Brasil, mais de 12 milhões sofrem de depressão e os registros apontam para aproximadamente 14 mil casos de suicídio por ano, ou seja, em média 38 pessoas cometem suicídio por dia.

Olhando para essas estatísticas assustadoras é possível perceber que falar sobre o tema é fundamental para que as práticas de prevenção do suicídio possam ser pensadas e para que possamos reconhecer possíveis sinais de alerta em nós ou em pessoas próximas.

Nesse contexto, a prevenção do suicídio se torna cada vez mais necessária e precisamos estar atentos aos seguintes sinais:
- Isolamento;
- Desinteresse em atividades que antes eram prazerosas;
- Mudança no sono;
- Agressividade;
- Falas como: “ estou cansado da vida”, “não quero mais viver”, “quero morrer” entre outras.
De acordo com a Cartilha Suicídio – Saber, Agir e Prevenir, elaborada pelo Ministério da Saúde, existem algumas atitudes que podemos tomar diante de uma pessoa sob o risco de suicídio, são elas:
- Encontre um momento apropriado para falar sobre suicídio com essa pessoa. Deixe-a saber que você está lá para ouvir;
- Incentivar a pessoa a procurar ajuda de um profissional;
- Se você acha que essa pessoa está em risco imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de uma emergência médica e informe algum familiar da pessoa;
- Se a pessoa com quem você está preocupado mora com você, assegure-se que ela não tenha acesso a meios que podem provocar a própria morte, como por exemplo: pesticidas, armas de fogo ou medicamentos. 
Vale ressaltar que a pessoa que pensa em suicídio não quer morrer, ela quer acabar com a dor que está sentindo e que não consegue dar conta. Ter apoio nesse momento é fundamental.  A escuta é muito importante nesse processo, a pessoa que está em sofrimento precisa ser acolhida e ser ouvida sem julgamentos.       

“ Quando você escuta o outro, está dizendo para ele: Eu tenho um lugar para você em mim” (trecho do livro O Palhaço e o Psicanalista). Ela precisa perceber que não está sozinha e que existe saída para o seu sofrimento. Ter um olhar empático para a dor do outro pode sim ser uma medida de proteção as pessoas que pensam em suicídio!

Nesse contexto de escuta, o Centro de Valorização da Vida – CVV, é um serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e de prevenção de suicídio para todas as pessoas que precisam conversar. O serviço é sigiloso e anônimo, o contato com o CVV pode ser feito através do telefone 188, 24 horas por dia e sem custo na ligação.

Quando o assunto é prevenção do suicídio, falar é a melhor solução!
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://canaldosul.com.br/.